BNDigital

O BRASIL ENCONTRA O EXTREMO ORIENTE: A MISSÃO CHINESA (1880)

< Voltar para Dossiês

Finalmente, a Missão!

Enquanto isso, no Brasil, após intensos debates na câmara, o ministro João Sinimbu, da pasta de Agricultura, Comércio e Obras Públicas, conseguiu fazer com que a missão para a China finalmente fosse aprovada em 1879. Ficou definido que a viagem seria liderada por Eduardo Callado e Artur Silveira da Mota, nomeados plenipotenciários para negociar um acordo direto com o governo chinês. A viagem, a ser realizada na corveta Vital Brasil, ficou definida para o final do ano, sendo prevista uma parada na Europa em busca de um intérprete, tendo em vista que não fora encontrado nenhum disponível no Brasil. Essa seria, também, a primeira circum-navegação do mundo feita por uma embarcação brasileira, feito que seria comemorado.

Fig. 20 - Mapa da circum-navegação feita pela corveta Vital de Oliveira.
Fonte: Acervo cartográfico da Fundação Biblioteca Nacional

»Veja mais sobre a viagem na seção de Iconografia e a descrição da viagem na seção de Manuscritos.




Fig. 21 - Foto da Corveta Vital de Oliveira, disponível na Revista Marítima Brazileira [1982, 211, p.92]. O relatório da missão, bem como vários manuscritos e livros produzidos a partir da mesma estão guardados no acervo institucional.
Fonte: Acervo da Fundação Biblioteca Nacional


Fig. 22 - Edição 236 da Revista Illustrada [1881], trazendo a corveta na capa e uma crítica a vinda dos chineses. Fonte: Acervo da Fundação Biblioteca Nacional


Fig. 23 - Artur Silveira Motta (1843-1914), Barão do Jaceguai, líder da missão junto com Eduardo Callado. Motta participou e foi condecorado na Guerra do Paraguai, e com 26 anos foi promovido a capitão, feito notável na história da Marinha brasileira. Após a guerra, continuou servindo na marinha e em missões diplomáticas, angariando fama de bom negociador - o que provavelmente levou a sua indicação na missão brasileira de 1880.
Fonte: Acervo da Fundação Biblioteca Nacional

A viagem, cheia de percalços e problemas técnicos, acabou se concretizando, e os enviados brasileiros finalmente aportaram no país em 1880. O encontro com as autoridades chinesas seria descrito pormenorizadamente na documentação diplomática, produzida por Callado e Mota, e nos revela as dificuldades do processo de negociação. Nela, vemos as anotações dos desafios que Callado e Mota tiveram que enfrentar para fechar um acordo com os Qing. Ali, colidiam dois grandes impérios, um querendo tantos privilégios quanto as potências europeias, outro querendo afastar os estrangeiros. Os enviados brasileiros, preocupados em concluir um tratado vantajoso para o império, foram obrigados a lidar com as dificuldades criadas pela postura protecionista do império chinês. O vice-rei Li Hongzhang (1823-1901) manteve-se aferrado ao discurso de milenaridade de sua nação, defendendo sua cultura e sociedade. A surpresa dos enviados foi a de reconhecer que os chineses, por pior que estivessem, não se entregaram facilmente, e estavam dispostos a negociar em pé de igualdade. Dentro das limitações possíveis, a dinastia Qing tentava resistir às ingerências e ameaças externas, e as negociações não se processaram de maneira fácil. No meio do caminho entre essas duas visões, porém, sairia um entendimento novo, uma experiência mais equilibrada e sensata de relacionamento entre os dois países: e os chineses que quisessem migrar para o Brasil estavam, agora, oficialmente liberados para fazê-lo.

 

Fig. 24 - Gravura de Li Hongzhang, o poderoso ministro Qing,
no livro A China e os chins [Lisboa, 1888, p. 256-257]. Imagem capturada na Biblioteca Nacional de Portugal.
Fonte: Acervo da Fundação Biblioteca Nacional


Fig. 25 - Fotografia de Li Hong Zhang em 1896; nessa época, o ministro continuava atuando firmemente no império chinês, e era o seu principal representante diante dos enviados brasileiros, de LITTLE, Archibald. Li Hung-Chang: His Life and Times. London: Cassell & Company, 1903. Imagem capturada em Wikimedia Commons.
Fonte: Wikipedia



Fig. 26 - Imagem de Pedro II, em litogravura, publicada no Chen Pao, conhecido pelo título inglês Shangai News, um dos principais periódicos do Império Chinês. A matéria foi publicada por engenho e arte de Callado e Motta.
Fonte: Acervo da Fundação Biblioteca Nacional

»Veja mais: as duras condições de viagem a bordo da corveta Vital de Oliveira, e alguns dos documentos produzidos pela missão brasileira na China.

Parceiros