BNDigital

Periódicos & Literatura

< Voltar para Dossiês

A Epocha: revista da quinzena: fantasias, romances, lettras, theatros, bellas-artes

por Maria Ione Caser da Costa
O periódico quinzenal A Epocha foi lançado no Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX, dia 14 de novembro de 1875. O título segue acompanhado do subtítulo: fantasias, romances, lettras, theatros, bellas-artes.

Título, subtítulo e periodicidade d'A Epocha foram impressos na parte superior da capa, dentro da mancha gráfica, em três estilos tipográficos diferentes.

Não são encontrados, nas páginas da publicação, os nomes dos editores ou dos responsáveis. O editorial, que inicia informando sobre a ausência de um programa, afirma o propósito dos editores de utilizarem pseudônimos ao invés de seus próprios nomes.
O nosso programma é não tel-o.

Se as nossas esperanças forem realizadas, sendo bem acolhida a presente tentativa, a Epocha poderá talvez  um dia preencher uma lacuna sensivel de nossa imprensa, a de uma publicação destinada á apresentar, sob uma forma ligeira, uma opinião reflectida sobre as diversas questões artisticas, litterarias e politicas, que mais interessam ao nosso tempo, e a servir de orgão áquella parte de nossa população, que se chama em sentido restricto - a sociedade brasileira.

As pessoas que, comprehendendo o nosso ponto de vista, quizerem auxiliar-nos, terão francas as nossas columnas.

Os diversos collaboradores desta folha têm, nas secções que redigem, a mais completa liberdade de pensamento, e cada um responde exclusivamente pelos artigos, que assigna com o seu pseudonymo.

Na sequência, o conto “A Chinella turca”, assinada por Manassés, um dos pseudônimos de Machado de Assis, que o utilizou também na Illustração brasileira entre os anos de 1876 e 1878. O segundo exemplar de A Epocha publica o conto “O Sainete” também assinado por Manassés.

Os contos “Entre dous casamentos”, “A Confissão de uma elegante” e “Um Homem difícil” foram publicados respectivamente no primeiro, segundo e terceiro exemplares, todos assinados por Pierrot, pseudônimo atribuído a Olavo Bilac.

De acordo pesquisas realizadas na web, pode-se informar que A Epocha foi idealizada por Joaquim Nabuco (que utilizou os pseudônimos “Ninguem” e “Todo Mundo”), e seu amigo Machado de Assis. O responsável pela Livraria Garnier, Baptiste Louis Garnier, que publicou vários livros de Machado de Assis, também teria participado da idealização da publicação.

A Biblioteca Nacional possui os três primeiros exemplares de A Epocha, este último, publicado em 18 de dezembro de 1875. Possivelmente os responsáveis teriam publicado ainda um quarto exemplar antes de encerrar suas atividades.

A impressão da publicação foi pelo maquinário da Typographia de Brown & Evaristo, localizada na rua do Senado, n.12.

Nas páginas da revista, especialmente nas primeiras páginas, o nome da Livraria Garnier é citado como a responsável pela venda das publicações.  A livraria estava localizada no número 65 da rua do Ouvidor.

O número avulso de A Epocha foi vendido por 800 réis. Os valores cobrados pelas assinaturas na corte eram de 12$000, 7$000 e 4$000 respectivamente para anual, semestral e trimestral. Para assinaturas de leitores que estivessem fora da corte era cobrado 500 réis a mais por trimestre.

Medindo 35cm x 25cm, cada fascículo foi composto com 16 páginas, diagramadas em duas colunas divididas por um fio simples. Não apresentou ilustração.

Abaixo transcrevemos o poema que recebeu o título de Soneto, e leva a assinatura de Camões.

 

Soneto

 Estou deveras zangado, eu lhe dizia,

em um canto da sala, no Cassino;

- Mas zangado porque? Eu perco o tino,

Por ventura não fiz o que pedia?...

 

- Onde a flôr que lhe dei, e que trazia

Inda ha pouco no seio peregrino?

Deu-a ao par da quadrilha, ao tal menino

Que persegue-a incessante noite e dia.

 

- O Senhor é bem máo!... E fez um mômo,

Assentando-se após em uma cadeira.

- Eu guardei sua flôr, quer saber como?

 

O recorte de gaze abrio ligeira,

Vi a flôr convertida em niveo pomo...

E inda não senti coisa que mais queira.

[1] http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=352349&pesq=&pagfis=1

 

[2] https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-26112020-182105/publico/2020_LuizaHelenaDamianiAguilar_VCorr.pdf

 

Parceiros