BNDigital

Periódicos & Literatura

< Voltar para Dossiês

O Republicano - esboçando a república

por Irineu E. Jones Corrêa (FBN)
O manuscrito que recebe a nomeação de O Republicano é um esboço do que seria a estrutura gráfica de periódicos seguindo o modelo padrão para esse tipo de publicação no século XIX. É riscado em tinta azul, de tinteiro, sobre folhas de papel comum, fabricado com pasta de madeira. As folhas trazem impresso o nome Bibliotheca Litteraria Brazileira, com cercadura floreada. Na coleção da Biblioteca Nacional esse esboço faz par com outro, A Republica. Aparentemente, os dois seriam da mesma lavra, escritos por uma mesma pena, sendo similares a forma das letras, a cor da tinta e as características do papel. Sua medida, são 21 x 13 cm.

Tal qual seu semelhante, este é composto em quatro páginas. Na cabeça da primeira delas aparece o título, bem ao centro. Acima dele, aparecem o local, Lisboa, e a data, 5 de maio de 1880. Abaixo, pode-se ler “orgam do Centro Republicano Federal”, apesar dos rabiscos sobre essas palavras. Em suas laterais, aparecem informações sobre preços na capital e nas províncias. Os espaços de cada grupo de informações estão delimitados por fios.

Abaixo do bloco formado pelo cabeçalho, as páginas estão divididas em três colunas. Colunas que também estão separadas por fios. A formatação adotada para os títulos das matérias indicam que elas apareceriam em sucessão contínua, no sentido vertical – ao final de uma, iniciar-se-ia outra. Ocupando o terço inferior das páginas está indicado o espaço em separado para o folhetim. Neste espaço, na primeira página, há uma lista de outras possíveis seções: semana política, revista literária, ciências e artes, homens e fatos e bric-à-brac. As páginas seguintes estão em branco, aparecendo indicado apenas o espaço reservado para o folhetim.

A historiografia informa que o Centro Republicano Federal, de Lisboa, fundado em 1879, foi uma das organizações com esse nome que existiram nas cidades portuguesas, no século XIX, no contexto das lutas pelo fim do regime monárquico. Naquela situação, os periódicos foram peças chave na divulgação do ideário republicano e nas lutas pela mudança de regime. O acervo de periódicos da Biblioteca Nacional de Lisboa conserva vários títulos que indicam referências ao movimento.

Uma consulta ao catálogo daquele acervo não foi, entretanto, capaz de estabelecer um elo direto e consistente entre o esboço e os periódicos com o mesmo nome, existentes naquela biblioteca. Apenas um deles, O Republicano, editado em Lisboa, em 1881, combinaria com o manuscrito da Biblioteca Nacional brasileira. Todavia, não há nas indicações bibliográficas do periódico nenhuma alusão ao centro republicano, tornando mera especulação a possibilidade de o esboço manuscrito ser o protótipo do título impresso. Entre o esboço existente no país e os muitos periódicos impressos portugueses com nomes idênticos, existiria tão somente o ideário político.

Parceiros