BNDigital

Projeto Resgate Barão do Rio Branco

< Voltar para Dossiês

Sobre o Projeto Resgate

O Projeto Resgate de documentação histórica manuscrita existente no exterior referente ao Brasil “Barão do Rio Branco” desenvolve suas pesquisas em Portugal, Áustria, Espanha, Holanda, França, Bélgica, Itália, Inglaterra e Estados Unidos da América, o que perfaz um total de nove países.  Busca, nos arquivos, bibliotecas, museus, centros e instituições culturais desses países que tiveram seus caminhos entrelaçados, elementos e documentação histórica que se relacione com o passado Colonial do Brasil, partindo dos primeiros fatos do Descobrimento – final do século XV até a nossa Independência, à época Imperial, ao século XIX. E deu início em 1992, sistematicamente, à pesquisa e à microfilmagem dos documentos manuscritos em Portugal, dando ênfase às comemorações dos 500 anos do Brasil, onde foi firmado o seu primeiro protocolo de relações internacionais. Destarte, averigua-se que o Projeto Resgate “Barão do Rio Branco” em toda a sua produção científica, cujo conteúdo está composto por dados e informações singulares de documentação manuscrita, cartográfica, iconográfica e museal, tem como objetivo máximo recuperar a memória histórica, a democratização informacional e a amostragem da evolução de um diálogo de uma história, no tempo, entre Nações.


O Projeto Resgate Barão do Rio Branco está sob a responsabilidade da Diretoria de Relações Internacionais do Ministério da Cultura do Brasil, tendo como órgão depositário oficial de todo o seu material a Fundação Biblioteca Nacional do Brasil em sua Divisão de Manuscritos/CCSL que fornece acesso a toda a produção científica do Projeto Resgate ao leitor/pesquisador e da Coordenadoria de Microrreprodução/CPP que tem a responsabilidade de preservar e duplicar os microfilmes em prol da disseminação, e conta com o apoio da UNESCO, do Ministério de Relações Exteriores e das Embaixadas do Brasil nos nove países conveniados, assim como parcerias com diversas instituições em âmbito nacional e internacional. O Projeto Resgate está inserido no Projeto Memória do Brasil o qual também abarca o Plano Nacional de Microfilmagem de Periódicos Brasileiros; na Organização dos Fundos Manuscritos do Período Colonial existentes em acervos brasileiros; e na Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental - COLUSO/CONARQ/Arquivo Nacional.


Projetado muito antes de ser instituído o Projeto Resgate baseou seus princípios na Resolução 4212/1974 da UNESCO que visa promover e estimular ... os Estados Membros da UNESCO a acolher favoravelmente a possibilidade de transferir documentos procedentes dos arquivos constituídos em território de outros países ou relativos à sua história, ... e foi desenvolvido a partir do ano de 1983 pelo Embaixador Wladimir Murtinho no então MEC - Ministério de Educação e Cultura que contou com as pesquisas históricas efetuadas pelos diplomatas e historiadores que em 1838 fundaram o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro - IHGB, incluindo o Barão do Rio Branco, o Roteiro-Sumário de arquivos portugueses da História do Brasil/1995 do Prof. Dr. Caio C. Boschi e, dentre outros, o Almirante Max Justo que acorreu na compreensão dos planos e cartas manuscritos encontrados pelos pesquisadores do Projeto Resgate.


O Projeto Resgate Barão do Rio Branco, com a aprovação do Plano Luso-Brasileiro de Microfilmagem, teve seu ponto de partida em Lisboa (PT) no Arquivo Histórico Ultramarino - AHU/IICT onde se reúne a documentação relativa às Capitanias Hereditárias do Brasil, oriundas do antigo Conselho Histórico Ultramarino, o que significa hoje 80% do acervo do Projeto Resgate. Atualmente o Projeto Resgate possui em seu acervo: 64 Catálogos das Capitanias e Séries do AHU, 07 Guias de Fontes e 08 Catálogos oriundos dos Guias, 02 Catálogos Cartográficos, 01 Catálogo Iconográfico, cerca de 3.000 rolos de microfilmes e 316 CD-ROM o que chegou a quatro milhões de páginas, porém, dando sequência às suas atividades, estima chegar a cinco milhões de páginas de documentos manuscritos recuperados, totalizando quinhentas mil cópias de documentos.


O Projeto Resgate Barão do Rio Branco teve suas pesquisas de base feitas por copistas, mais tarde passadas a rolos de microfilmes, posteriormente foram digitalizadas e passadas a CD-ROM, mas hoje, o avançar da tecnologia se impõe e o Projeto Resgate repensa a alocação de sua produção científica, o acesso à informação, a profusão desta informação, o desvendamento, e nota o imperativo da modernização tecnológica, ou seja, a atualização de sua produção científica de acordo com as novas tecnologias digitais de informação, levando em conta o novo cenário no ciclo das comunicações e nas perspectivas sócio-técnico da informação no campo da arquivística. Por conseguinte, com o objetivo de desbravar a história brasileira e a democratização informacional, quer facilitar e expandir o acesso às fontes históricas pesquisadas e estruturadas, promovendo o aprofundamento dos saberes de nosso passado em comum com outras Nações, e opera, com a parceria contínua do Arquivo Histórico Ultramarino, a Biblioteca Nacional de Portugal e a Fundação Biblioteca Nacional do Brasil que dará a possibilidade de radiografar o pulsar de uma sociedade – a luso-brasileira, nesta nova expedição informacional – a Biblioteca Digital Luso-Brasileira.
E o Projeto continua... Resgatando e difundindo os marcos da História!


CORRESPONDÊNCIA E CONTATO
Katia Jane Souza Machado
Coordenação Geral
Projeto Resgate Barão do Rio Branco
Ministério da Cultura
Palácio Gustavo Capanema
Rua da Imprensa, 16 sala 213   CEP 20030-120  Centro (RJ) - RJ
Telfax: 00 55 21 3733-7107; 3733-7108; 3095-3899
resgate@cultura.gov.br ; katia.machado@cultura.gov.br; kjane@bn.br

Parceiros