BNDigital

Pequena Exposição de Livros

< Voltar para Exposições virtuais

Apresentação

Medeiros e Albuquerque, João do Rio e Benjamim Costallat: pequena exposição de livros

No início do século XX, o Rio de Janeiro sofre profundas modificações. A velha capital colonial portuguesa dá lugar a uma moderna metrópole, de aspecto afrancesado. Abrem-se praças, rasgam-se avenidas e constroem-se novos edifícios. O centro da cidade é redesenhado e começa a ocupação dos espaços do litoral sul.

O espaço psicológico e estético daquele momento é ocupado por um discurso excêntrico, fortemente contestatório dos ideais de ordem e progresso: o Decadentismo. Ele integrará os movimentos estranhos e os detalhes originalíssimos que a cidade transformada e os costumes e relações modernizados produzem.

Medeiros e Albuquerque, João do Rio e Benjamin Costallat são três dos escritores que fizeram valer a postura desafiadora da nova estética: nomes que, ao mesmo tempo, são autores e personagens das cenas que suas obras compõem. O primeiro deles convoca simultaneamente à perversão do dandismo e à cidadania exemplar. É o autor das primeiras poesias decadentistas e escreve o Hino da República — regime de inspiração positivista. Participa dos grandes debates nacionais e faz experiências com hipnotismo, psicanálise e ocultismo. Entretanto, não esquece a vida don-juanesca que experimentou em Paris. João do Rio é o porta-voz dos acontecimentos da metrópole efervescente, dos mais banais aos mais sofisticados. Acusado de frívolo e superficial, seria consagrado como escritor, ao ser admitido na Academia Brasileira de Letras, e como jornalista amado por seus leitores, quando sua morte é chorada por uma multidão incalculável.

Costallat, observador da alta sociedade e da favela, lança um olhar censório sobre os primeiros arranha-céus da cidade e faz uma especulação premonitória sobre a televisão, recém-inventada. Romancista censurado e ensaísta polêmico, a propósito dele pergunta-se: seria um moralista radical ou dissoluto empedernido circulando entre as mazelas sociais e os dramas humanos de seu tempo?

Este pequeno conjunto de livros é uma parte da coleção de documentos escritos e iconográficos de autores e personagens da Belle Époque brasileira, que está guardada nas prateleiras da Fundação Biblioteca Nacional. Algo como uma daquelas amostras de substâncias voláteis que, acondicionadas em vitrines e pequenos frascos, estão prontas para atrair, envolver e seduzir quem delas se aproxima.

A mostra Medeiros e Albuquerque, João do Rio e Benjamim Costallat: pequena exposição de livros é a primeira exposição virtual apresentada pela Fundação Biblioteca Nacional.

Lia Jordão
Irineu E. Jones Corrêa