BNDigital

Periódicos & Literatura

< Voltar para Dossiês

Avança!...: semanario illustrado e critico

por Maria Ione Caser da Costa
Avança!...: semanario illustrado e critico foi editado em Recife, capital do estado de Pernambuco. Seu primeiro exemplar veio a lume em 15 de agosto de 1908 e o último foi o número 28, que saiu publicado em 13 de março do ano seguinte.

Na Biblioteca Nacional podem ser encontrados apenas três exemplares: o vigésimo primeiro, vigésimo terceiro e vigésimo quarto, editados nos dias 2, 15 e 23 de janeiro de 1909, respectivamente. Ainda não foram digitalizados, portanto a consulta só pode ser feita in loco, na Coordenadoria de Publicações Seriadas.

Os únicos exemplares que se encontram na BN pertencem ao segundo ano de publicação, e neles o subtítulo aparece apenas como semanário ilustrado. A Biblioteca Pública Estadual de Pernambuco possui a coleção completa.

O expediente do número 21 informa um subtítulo diferente daquele encontrado na capa: semanário critico, caricato e humorístico.

A redação de Avança!...estava localizada na rua do Imperador, 45A, e foi impressa pela tipografia do Jornal do Recife.

Os fascículos existentes na BN medem 32 cm x 22 cm, possuem 24 páginas cada, incluindo as capas. As páginas não são numeradas e foram diagramadas em duas colunas.

As capas são coloridas e ilustradas e em cada ilustração acompanha um pequeno texto explicativo localizado logo abaixo do desenho. A última capa é sempre monocromática. No miolo, isto é, nas páginas inseridas entre as capas, o conteúdo está em preto e branco.

Na ausência do exemplar de lançamento, reproduzimos abaixo o texto publicado no número 21, com o título A redacção do AVANÇA!..., assinado por Dr. Picareta, e com o “de accordo” de Diogo Barradas, Guapu, Orion Junior e Arxiles que convida os jornalistas para a inauguração da nova redação.

Há mais de dois mezes que installamos a redacção desta revista no prédio n. 35, 1º andar á rua 15 de Novembro.
Hoje, porem, terá logar a inauguração solemne, ás 6 horas da tarde e para assistil-a é convidada toda a imprensa desta capital.
Avisamos que o nosso papae grande baixou o seguinte decreto.
“De accordo com as leis modernas do smartismo modern sstyle e dernier cri ou bateau, ‘a bem do progresso geral da nação’ decreto:
Art. 1º - Seja inaugurado no dia 2 de Janeiro do anno de mil novecentos e nove do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo, a redacção do Avança!...
$ único. Ao acto deverá assistir toda a imprensa matutina, meridiana, vespertina e nocturna.
Art. 2º - É indispensável servir-se aos convidados Café Chinez e a Super-Ale.
Art. 3° - Ficam prohobidos terminantemente os discursos, até mesmo os mudos.
Art. 4º - Cada jornalista que comparecer é obrigado a dar noticia do acto no seu jornal.
Art. 5º - Revogam-se as disposições em contrario.

Avança!... enfoca assuntos políticos e a vida cotidiana pernambucana da época utilizando-se, de charges, sátiras e também de poesias. São encontrados também glosas jocosas, charadas, “cartas enigmáticas”, e uma parte literária com textos em verso e prosa. Propunha-se a entreter e fidelizar seus leitores.

O valor de venda do fascículo avulso valia 300 réis, e a assinatura anual, 15$000. Em nossas pesquisas encontramos informações que os sete primeiros exemplares os valores cobrados eram de 200 réis para o número avulso e 10$000 para a assinatura anual.

As ilustrações e caricaturas encontradas na publicação foram assinadas por Diogo Barradas, Guapy, Raphael Togo e Spitzer, respectivamente os pseudônimos de Colombo Pompílio, Herculano de Albuquerque, Luiz Filipe de Souza Leão Gonçalves e José Veloso.

A direção da revista estava a cargo do Dr Picareta, pseudônimo de Luiz Francisco Mendes. Encontramos ainda os colaboradores João Pessoa, João Monteiro e José Feliz de Oliveira que assinavam também com os pseudônimos de João Bocó, Orion Junior e Arxiles, respectivamente.

O poema selecionado das páginas de Avança!..., reproduzido a seguir, é uma homenagem ao periódico, publicado no número 23 e assinado por ‘Dina’. O poema faz uma brincadeira com o periódico Cri-Cri, que era um concorrente à época, tendo deixado de circular em dezembro de 1908.

Avança!...

Avança de espada em punho,
Avança altivo orgulhoso;
Avança sempre altaneiro
Oh! Jornal criterioso.

Nas fileiras do progresso
Avança sem sobresalto.
No avançar é que procura
Subir cada vez mais alto.

O Cri-Cri, não teve senso,
Não soube se sustentar;
Passo firme, pé seguro
Afim de nunca tombar.

Lembra a historia da raposa,
E segura a cauda Avança!...
Que n’um discuido qualquer,
Se póde quebrar a trança!...

Parceiros