BNDigital

Rede da Memória Virtual Brasileira

< Voltar para Dossiês

CÉLIA MARIA CAROLINO PIRES (1948 - 2017)

por Lauro Igor Metz

Célia Carolino, como era conhecida, nasceu no dia 15 de junho de 1948 em Santos, litoral do estado de São Paulo, onde cursou o primário no Grupo Escolar Fraternidade e depois prestou exame de admissão no Colégio Estadual Canadá (SOUZA, 2005). De 1963 a 1965, cursou o curso Normal e no ano de 1966, antes de completar 18 anos de idade, começou a lecionar para turmas de 1ª a 4ª séries como professora efetiva da rede municipal de Santos, região litorânea do estado de São Paulo. A partir de 1969 passou a dar aulas nas turmas de 5ª. a 8ª. séries na rede municipal e também em escolas da rede pública estadual, em Santos. No final da década de 1970 prestou vestibular e ingressou no curso de Pedagogia. De outra parte, quando a faculdade em que ela estudava ofereceu o curso de Ciências, sendo uma das opções de Licenciatura a Matemática, desistiu da Pedagogia para cursar Ciências e rapidamente descobriu seu encantamento pela Matemática (ISHII, 2008). Fez a graduação em Ciências no Curso de Licenciatura em Ciências na Faculdade Filosofia Ciências e Letras de Santos, que hoje integra a Universidade Católica de Santos. Terminou o curso em 1971 e depois complementou sua formação em Matemática na Faculdade de Mogi das Cruzes.


No ano de 1976 participou como divulgadora dos Guias Curriculares do Estado de São Paulo. Após cursar Matemática, fez a graduação em Licenciatura em Pedagogia na Faculdade Professor Laerte Ramos de Carvalho em Santos e mudou-se para a capital paulista para cursar o Mestrado. Devido à mudança de residência, pediu remoção para a Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros, na grande São Paulo. Em seguida foi convidada a trabalhar na Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – CENP, inicialmente como técnica e posteriormente exercendo o papel de coordenadora da equipe de Primeiro Grau. Afastou-se da CENP entre fevereiro de 1986 e dezembro de 1993 para atuar como diretora de escola, depois retornando às atividades na CENP até sua aposentadoria em 1994 (BRITIS; GODOY; VIANNA, 2019). Participou da organização das Propostas Curriculares para o ensino de 1ºgrau elaborado pela secretaria de estado de educação de São Paulo, que iniciou a partir de 1984, a qual tinha entre suas premissas contribuir para que os educadores articulassem uma visão de conjunto de todas as áreas do conhecimento (SÃO PAULO, 1991).


Célia Carolino Pires foi uma das profissionais designadas para a função de elaboradora do Caderno de Atividades Matemáticas, organizado pela Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas da Secretaria do estado da educação de São Paulo, o qual teve diferentes edições entre as décadas de 1980 e 1990. A proposta do trabalho foi ajudar os professores dos primeiros anos escolares a proporcionarem atividades nas quais os alunos explorariam conceitos matemáticos naturalmente. As atividades propostas são oriundas de experimentos realizados por professores em escolas estaduais da região metropolitana da Grande São Paulo supervisionados por monitores de Matemática de algumas Delegacias de Ensino.


Profissionalmente, além de professora de Matemática na rede pública e diretora de escola, na década de 1980 ingressou como docente no ensino superior na Faculdade Oswaldo Cruz. Concluiu os estudos de Mestrado em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1982) com a dissertação "Planos de Moebius de ordem par" e cursou Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (1995), apresentando a tese Currículos de Matemática: da organização linear à ideia de rede (VIANA, 2012). Atuou como docente na Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL) e foi professora colaboradora da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Foi uma das autoras da coleção de 1ª a 4ª série, Matemática no Planeta Azul, que recebeu o prêmio Jabuti de melhor livro didático (1994) da Câmara Brasileira do Livro, e da coleção de 5ª a 8ª série (Educação Matemática), muito elogiada na avaliação do PNLD. No ano de 1995 passou a integrar o corpo docente da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e no mesmo ano começou a atuar na elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental, contratada pelo Ministério da Educação (MEC), onde ficou até 2002 (BRITIS; GODOY.; VIANNA, 2019).


Célia Carolino faz parte, juntamente com as professoras Maria Amábile Mansutti e Maria Tereza Perez Soarez, da equipe central que elaborou os Parâmetros Curriculares Nacionais para os dois primeiros ciclos do Ensino Fundamental (BRASIL, 1996). Seu nome é apresentado na ficha técnica como colaboradora dos Parâmetros Curriculares Nacionais para os dois primeiros ciclos do ensino primário juntamente com outros 31 profissionais (BRASIL, 1997) e também, com outros 37 profissionais, na ficha técnica como colaboradora dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o terceiro e quarto ciclos (BRASIL, 1998). Sua experiência na educação básica foi um dos motivos por ser designada a ser uma das redatoras dos PCN de Matemática para os anos iniciais já que, de 1967 a 1975, atuou como docente da Secretaria Municipal de Educação em Santos, SP, e de 1969 até 1994 foi servidora pública do estado de São Paulo, participando de diferentes capacitações e ministrando diferentes treinamentos naquele município relacionados com o ensino da matemática, entre eles, o curso de Formação de monitores do Projeto Atividades Matemáticas, Formação de monitores do Projeto Experiências Matemáticas, Formação de monitores para a implementação da Proposta Curricular de Matemática, Formação de professores para implementação da Geometria Experimental, Formação de monitores no Projeto IPÊ, que se tratava de cursos para atualização e aperfeiçoamento do magistério de 1º e 2º graus, criado na década de 1980, pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo e pela Fundação Padre Anchieta. O Projeto IPÊ utilizou-se de um sistema de multimeios para propagação (televisão, rádio, texto impresso e teleposto), sendo transmitido pela TV Cultura e ficou no ar durante oito anos (BRITIS; GODOY; VIANNA, 2019). No projeto IPÊ, Pires é autora do fascículo Matemática: o currículo e a compreensão da realidade, subsídio para os professores no trabalho escolar, onde foram explorados Números, Geometria, Medidas e Algoritmos.


No programa de Estudos Pós Graduados em Educação Matemática da PUC de São Paulo coordenou o projeto de pesquisa, Inovações Curriculares nos Ensino Fundamental e Médio, que investigava processos de desenvolvimento curricular, e outro sobre a formação de professores de Matemática, que investigava os processos de formação inicial e continuada de professores, tanto em cursos de Licenciatura como em projetos de formação continuada (ISHII, 2008). Dedicou sua vida profissional a estudar sobre estruturas curriculares para aprimorar o ensino da matemática e a formação de professores que atuam na área e sua designação para atuar como uma das responsáveis na elaboração dos PCN de Matemática para os dois primeiros ciclos nos levam a caracterizá-la como uma expertna área pela sua proposta de modelo em rede, em contraposição ao modelo linear de ensino de matemática. Faleceu em 18 de maio de 2017 com 68 anos de idade, na capital paulista.


Na época da elaboração dos PCN, Célia Carolino esteve associada ao Projeto da FAPESP intitulado Grupos colaborativos: contribuições para a melhoria da qualidade de ensino de matemática nos anos iniciais do ensino fundamental e o desenvolvimento profissional de professores de escolas, da Diretoria Leste 1 da rede estadual de São Paulo, entre 01 de agosto de 2016 e 31 de julho de 2017, o qual tinha como Instituição sede a Universidade Cruzeiro do Sul de São Paulo. O projeto tinha como finalidade investigar a melhoria das aprendizagens matemáticas de alunos de escolas de baixo rendimento e o desenvolvimento profissional de seus professores quando os mesmos participam de grupos colaborativos formados por professores da escola básica, mestrandos, doutorandos, e pesquisadores da Universidade.


Especificamente no ano de 1997, ano de publicação da versão dos PCN, coordenou um projeto desenvolvido pela PUC/SP junto à Secretaria de Estado da Educação de São Paulo para capacitação de 1200 professores de Matemática da rede estadual de ensino do estado.


Na sua atuação no Ministério da Educação, participou também do Projeto Parâmetros em Ação, o qual tinha, dentre seus propósitos, incentivar a leitura dos PCN por representantes das secretarias municipais de educação (SOUZA, 2005). Juntamente com as professoras Miriam Orensztejn, Roberta Leite Panico, Sandra Mayumi Murakami Medrano, atuou na coordenação da Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental, 5ª a 8ª série, época em que a Diretora do Departamento de Políticas da Educação Fundamental era a professora Maria Amábile Mansutti (BRASIL, 2002).


Atuou como primeira secretária na diretoria da Sociedade Brasileira de Educação Matemática - SBEM (1998-2001) e exerceu o cargo de presidente da mesma associação (2001-2004). Também foi presidente da Federação Iberoamericana de Educação Matemática - FISEM (2003/2004), a qual promove trocas de experiências e informações para melhoria e a aprendizagem da matemática nos países que compõem a comunidade ibero-americana. Atuando como um dos líderes da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, mesmo sendo convidada a ser uma das redatoras dos PCNs para os anos iniciais e também atuando como redatora dos PCNs para os anos finais do Ensino Fundamental, como já referido, Célia Carolino reivindicou o posicionamento daquela Sociedade em relação à elaboração dos PCN pois, mesmo existindo críticas em relação ao contexto social e político dessa elaboração, é certo que tais documentos marcam a histórica da educação brasileira por serem uma primeira tentativa de unificação curricular. Tais fatos são evidenciados no VII ENEM realizado em 2004 e V SIPEM em 2012 (BÚRIGO, 2019).


Foi caracterizada como expert em educação em artigo publicado na folha de São Paulo no ano de 2009, o qual tinha como proposta revelar que as escolas particulares do Ensino Médio estavam contratando experts para modificação em currículo. O objetivo das contratações era tornar as aulas mais interdisciplinares e focadas no cotidiano do aluno para enfrentar o Exame Nacional do Ensino Médio (BEDINELLI, 2009).


Atuou como coordenadora e assessora pedagógica dos Cadernos de Apoio e Aprendizagem da Matemática publicados pela Secretaria de Educação do município de São Paulo. Os Cadernos de Apoio e Aprendizagem foram produzidos em 2009 e entregues às escolas no ano de 2010, publicados para operacionalizar as Orientações Curriculares e Proposição de Expectativas de Aprendizagem para o Ensino Fundamental, publicadas em 2007, que tinha o objetivo de orientar a organização curricular daquele município a partir de expectativas de aprendizagem por área de conhecimento (VECE E CURY, 2014).Os Cadernos de Apoio e Aprendizagem, destinados aos nove anos do Ensino Fundamental, visavam contribuir para o trabalho docente e para a melhoria da qualidade de ensino. O material contempla 18 cadernos, nove destinados aos alunos e nove manuais para o professor. O material destinado à área de Matemática foi preparado com base nos blocos de conteúdos propostos nos Parâmetros Curriculares Nacionais. A produção de Carolino é referenciada no documento Orientações Didáticas do Currículo - Matemática volumes I e II, publicado pela Secretaria Municipal de Educação de São Paulo em 2019 .O material faz parte de uma coleção que incorpora a formação continuada de profissionais da Rede Municipal de Ensino de São Paulo, apresenta discussões importantes para que os objetivos de aprendizagem e desenvolvimento ganhem vida e passem a ser uma realidade possível na ação docente. O Caderno foi dividido em duas partes. Na parte I, o documento explora a gestão da sala de aula e faz abordagens em relação aos eixos Números, Álgebra e Geometria. Na parte II destacam-se aspectos dos sistemas de medidas, transformações e relações entre unidades e entre grandezas.


Os trabalhos desenvolvidos por Carolino revelam sua expertiseprofissional no âmbito do ensino de matemática e na formação de professores e sua participação como uma das protagonistas na elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais para os dois primeiros ciclos do Ensino Fundamental a chancelam como expert na área.



Referências


BEDINELLI. Talita. Escolas contratam "experts" para modificar o currículo. Folha de São Paulo, 01 de novembro de 2009. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff0111200915.htm>. Acesso em: 02 fev. de 2021.


BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática - versão preliminar de agosto de 1996. Brasília: MEC/SEF, 1996.


BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/234436. Acesso em: 16 nov. de 2022.


BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais - terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental :matemática. Brasília: MEC / SEF, 1998. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/241906. Acesso em: 16 nov. de 2022.


BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5a a 8a série: introdução. Secretaria de Educação Fundamental, 2002. Disponível em:<https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&ved=2ahUKEwiQ8sTEvs7uAhVJHrkGHb59CsAQFjAAegQIAhAC&url=http%3A%2F%2Fportal.mec.gov.br%2Fsecad%2Farquivos%2Fpdf%2Feja_livro_01.pdf&usg=AOvVaw1Uu-bkjTU8IY8SGmt6wzKq>. Acesso em: 10 jan. de 2021.


BRITIS, Karen Gonçalves;GODOY, Elenilton Vieira;VIANNA, Carlos Roberto. Célia Maria Carolino Pires: uma educadora matemática e suas reflexões sobre propostas curriculares. Bolema, V. 33, n.63, p. 1-23. Rio Claro. Jan./Abr. 2019. Disponível em:<https://www.scielo.br/j/bolema/a/JWn6tNM3ZrYzbsyB4dKtvQR/abstract/?lang=pt > . Acesso em: 16 de out. de 2021.


BÚRIGO, Elisabete Zardo. A Sociedade Brasileira de Educação Matemática e as Políticas Educacionais. Bolema, V. 33, n. 64, p.1-20. Rio Claro, ago. 2019. Disponível em:<https://www.scielo.br/j/bolema/a/JgNFPnhHVgHPPBJ4kDpdGWR/?lang=pt>. Acesso em: 04 de jan. de 2021.


ISHII, Antonella Bianchi Ferreira. História oral no percurso de vida e de formação de professores e professoras de matemática: possíveis implicações curriculares. Dissertação.Universidade Católica de São Paulo, 2008, 115 p. Disponível em: <https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&ved=2ahUKEwji4PKyc7uAhW0CrkGHVq9DuE4ChAWMAJ6BAgEEAI&url=http%3A%2F%2Flivros01.livrosgratis.com.br%2Fcp070269.pdf&usg=AOvVaw1MImgOLOS_ed1hpLCOtanh>. Acesso: 31 de jan. de 2021.


SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Atividades Matemáticas. 1a Série do 1o grau. 2.ed. Coord. Lydia Condé Lamparelli. São Paulo, SE/CENP, 1988. 200p. Disponível em:< https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/222143>. Acesso: 5 de mar. de 2022>


SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Atividades Matemáticas. 2a Série do 1o grau. 2.ed. Coord. Lydia CondéLamparelli. São Paulo, SE/CENP, 1985. 113p. Disponível em:


<https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/222119>. Acesso: 5 de mar. de 2022.


SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Atividades Matemáticas. 3a Série do 1o grau. São Paulo, SE/CENP, 1985. 146p. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/234445>. Acesso: 26 de out. de 2022.


SÃO PAULO. (Estado). Secretaria de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Atividades Matemáticas: ciclo básico. 3. ed. São Paulo: SE/CENP, 1998. V.1, 198p.


SÃO PAULO. (Estado). Secretaria de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Atividades Matemáticas: ciclo básico. 5. ed. São Paulo: SE/CENP, 1998. V.2, 222p.


SÃO PAULO. (Estado). Secretaria de Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Propostas Curriculares para o ensino de 1º Grau. São Paulo: SE/CENP, 1991. V.1, 370 p.


SOUZA, Gilda Lucia Delgado. Educação matemática na CENP: um estudo histórico sobre as condições institucionais de produção cultural por parte de uma comunidade de pratica. 2005. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. 432 p. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253057>. Acesso em: 5 de jan. de 2021.


VECE, Janaina Pinheiro.; CURI, Edda. Professores dos Três Primeiros Anos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de São Paulo e suas Relações com o Currículo Prescrito e Apresentado no Ensino de Matemática. Bolema, Rio Claro (SP), v. 28, n. 49, p. 621-637, ago. 2014. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/bolema/a/wSYyGjkqVhfsYMTxZnRntVx/?lang=pt>.Acesso em: 02 fev. de 2022.


VIANA, Marger da Conceição Ventura. Educadoras e educadores matemáticos brasileiros. Ouro Preto: UFOP, 2012, 152p. Disponível em:<>. Acesso em: 03 de fev. de 2021.



Fontes Consultadas


ANCHIETA, Fundação Padre (org.). Cadernos de apoio e aprendizagem: Matemática. Programa de Orientações curriculares. Livro do Professor. São Paulo: Fundação Padre Anchieta, 2010. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/241907>. Acesso em: 16 de out.. de 2022.


SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educacao.Coordenadoria Pedagógica.Orientações didáticas do currículo da cidade: Matemática – volume 1. – 2.ed. – Sao Paulo: SME /COPED, 2019. 184p. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/241909 >. Acesso em: 16 de out.. de 2022.


SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educacao. Coordenadoria Pedagógica.


Orientações didáticas do currículo da cidade: Matemática – volume 2. – 2.ed. – São Paulo: SME /COPED, 2019. 144p. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/241908>. Acesso em: 16 de out. de 2022.


PIRES. Célia Maria Carolino. Currículo Lattes, 2017. Disponível em: <http://lattes.cnpq.br/9434245879107726>. Acesso em: 27 de jan. de 2021.


PIRES, Célia Maria Carolino..Currículos de Matemática: da organização linear à idéia de rede. São Paulo: FTD, 2000.


PIRES, Célia Maria Carolino. SILVA, Marcio Antonio da. Desenvolvimento Curricular em Matemática no Brasil: trajetórias e desafios. Quadrante, Lisboa, v. 20, n. 2, p. 57-80, 2011. Disponível em:<https://quadrante.apm.pt/article/view/22866/16932> . Acesso: 16 out. de 2021.


PIRES, Célia Maria Carolino.Orientações Curriculares Para A Educação Básica. Qual O Caminho? VIII Encontro Nacional de Educação Matemática. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 15 a 18 de jul. de 2004. Disponível em:<http://www.sbembrasil.org.br/files/viii/arquivos/PA.htm#> . Acesso: 16 de out. de 2021.


PIRES, Célia Maria Carolino.Pela criação de um grupo de trabalho sobre currículos de matemática, no SIPEM. Anais do V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Petrópolis, RJ, 28 a 31 de outubro de 2012. Disponível em: <sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/files/v_sipem/PDFs/GT03/CC07234546804_A.pdf.> Acesso: 16 de out. de 2021.

Parceiros