BNDigital

29 de Maio: Dia do Geógrafo

29 maio 2023

Artigo arquivado em Datas comemorativas
e marcado com as tags Educação, Geografia, IBGE, Mapas, Viajantes

A data foi instituída em 29 de maio de 1936 por ocasião da criação do Instituto Nacional de Estatística – atual Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A profissão de geógrafo foi oficialmente estabelecida no Brasil pela Lei nº 6664/79, visando definir os requisitos para sua execução e áreas de atuação direta. Além do papel de lecionar, cabe ao geógrafo: “reconhecimentos, levantamentos, estudos e pesquisas de caráter físico-geográfico, biogeográfico, antropogeográfico e geoeconômico e as realizadas nos campos gerais e especiais da Geografia, que se fizerem necessárias”.

Na sua forma básica, geografia é um conceito formado a partir da junção dos radicais gregos geo (Terra) e graphos (escrita). Foi, dessa maneira, definida por muito tempo como a ciência responsável pela descrição da superfície terrestre em suas formas e processos. Essa é uma concepção atrelada ao trabalho dos geógrafos da antiguidade, quando Heródoto – reconhecido como “pai da História e da Geografia” – realizou viagens com interesse científico para observação e registro dos recursos naturais e aspectos culturais dos povos por onde passou.

No século XIX os trabalhos e as viagens de Alexander Von Humboldt, Karl Ritter e Friedrich Ratzel ajudaram a redesenhar a ciência, deixando pra trás uma abordagem meramente descritiva ao investigar o quanto o ambiente define as características locais. Contudo, essa foi considerada uma interpretação muito determinista, que submetia o homem ao meio em que vive. A Escola Francesa da Geografia trouxe mudanças com estudiosos como Vidal de La Blache contrapondo o determinismo com a ideia de uma constante influência do homem sobre a natureza e vice-versa.

Mas afinal, o que estuda a Geografia? Pode-se entendê-la, basicamente, como uma ciência que estuda a superfície terrestre e a distribuição espacial de seus fenômenos, abrangendo a relação recíproca entre o homem e o meio ambiente. Fundamentalmente, preocupa-se em estabelecer o “porquê” da localização, isto é, porque as coisas ocorrem de uma determinada forma em um determinado local. É, portanto, a ciência que se ocupa de entender a construção e evolução do espaço.

A Geografia está ligada a outras áreas do conhecimento como química, geologia, matemática, história, física, astronomia, antropologia e biologia. Além do trabalho com mapas – uma das ferramentas mais associadas ao profissional –, o geógrafo também se vale de técnicas de geoprocessamento (processamento informatizado de dados cartográficos e associados a coordenadas), sensoriamento remoto (informações sobre a superfície terrestre utilizando sensores distantes ou remotos, comumente orbitais) e climatologia geográfica (a relação entre os processos atmosféricos e a dinâmica do espaço). Pode ainda participar da elaboração de relatórios de impactos ambientais e atuar no planejamento urbano e regional. Não possuindo um conselho profissional próprio, está vinculado ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA), requisito necessário para a emissão de seus pareceres técnicos.

Dentre os renomados geógrafos brasileiros estão Milton Santos, Aziz Ab`Saber, Pedro Geiger, Antonio Christofoletti, Berta Becker, Maria Therezinha de Segadas Soares e Lysia Bernardes. Além do IBGE, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) e a Associação dos Geógrafos do Brasil (AGB) são órgãos que fomentam a pesquisa e representam a Geografia no Brasil.

 

Acesse a obra “La cosmographie universelle d'Andre Thevet”, do cosmógrafo real da França na expedição de Nicolas Durand de Villegagnon ao Rio de Janeiro, no século XVI:

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_obrasraras/or815980/or815980.html#page/1/mode/1up

 

Leia o livro “As Regiões Amazônicas: estudos chorographicos dos Estados do Gram Pará e Amazonas”, de José Coelho da Gama e Abreu, Barão de Marajó, impresso em 1895:

https://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_obrasraras/or39049/or39049.pdf

 

Veja “A Carta do Brazil”, de 1901, e com pareceres de Luiz Cruls, diretor do Observatório Astronômico; Orville Derby, da Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo; Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e Instituto Politécnico:

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart1496782/cart1496782.htm

 

Acesse o “Atlas do Brasil”, de João Teixeira Albernaz II e impresso no século XVII:

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart1079075/cart1079075.htm