BNDigital

Acervo da BN | O periódico Diabo Coxo, de Angelo Agostini

26 maio 2021

Artigo arquivado em Acervo da BN

O periódico Diabo Coxo, publicado por Angelo Agostini e Luís Gama, é um dos pioneiros na utilização de caricaturas, imbuídas de crítica social e política, no curto período em que foi veiculado. É um jornal domingueiro, com apenas 8 páginas, 4 de ilustrações e 4 de textos, redigidos pelo abolicionista Luís Gama e Sizenando Barreto Nabuco de Araújo, irmão de Joaquim Nabuco, impresso na Tipografia e Litografia Alemã, de Henrique Schröder. Foram publicadas 2 séries de 12 números cada uma, circulando entre 1864 e 1865. É considerado o primeiro jornal ilustrado da história da imprensa paulista.

Segunda pesquisa do professor Antonio Luiz Cagnin, o título do periódico remete provavelmente ao personagem do romance El Diablo Cojuelo, do escritor espanhol Luís Velez de Guevara, que fez muito sucesso, em 1641. Na história, um diabo preso na garrafa é libertado por um estudante, e, em contrapartida, lhe dá o poder de ver o interior das casas, mostrando o íntimo das pessoas, com seus vícios e virtudes. Esse imaginário simbólico já indicava uma maneira de Agostini satirizar os costumes da sociedade.

Agostini chegou a publicar outro periódico, em São Paulo, denominado Cabrião, no período de 1866-1867, baseado num romance-folhetim intitulado Os Mistérios de Paris, do escritor francês Eugène Sue. O personagem, um jovem pintor, era uma figura incômoda, que zombava de tudo. Neste jornal, criticava, principalmente, personalidades da política e da Igreja. Em razão das críticas que fazia, acabou ficando isolado, em termos políticos e sem condições de se manter financeiramente, até sua extinção.

Depois, Agostini foi para o Rio janeiro, e, em 1867, publicou o periódico Arlequim, que teve curta duração. Em 1868, fundou, com os jornalistas Antonio Pedro Marques de Almeida (?-1886) e Augusto de Castro (1833-1871), a Vida Fluminense, em que criou, em 1869, As aventuras de Nhô Quim, ou Impressões de uma Viagem à Corte, uma novela-folhetim precursora das histórias em quadrinhos. Em 1876, teve sua própria Revista Illustrada, que foi um periódico de grande relevância política e social, no Segundo Reinado. A partir da criação dessa revista, Agostini consagrou sua carreira, utilizando a caricatura e o riso como formas de denúncia social e influenciando a opinião pública a respeito de temas como a abolição dos escravos e o movimento republicano.


A Hemeroteca Digital possui a edição fac-similar do periódico Diabo Coxo, de Agostini.