BNDigital

L’Independant – Feuille de commerce, politique et litteraire

14 Nov 2017

Artigo arquivado em Hemeroteca
e marcado com as tags Arte e cultura, Comércio, Conservadorismo, Crítica política, Economia, Franceses no Brasil, Imigração, Imprensa imigrante, Moda, Pierre Plancher, Primeiro Reinado

Publicado pelo livreiro e tipógrafo Pierre René François Plancher de La Noé, o semanário L’Independant foi o primeiro jornal francês publicado no Brasil. Vindo a lume a 21 de abril de 1827, no Rio de Janeiro (RJ), lançou, pelo menos, dez edições, sendo a última de 24 de junho de 1827. Como os demais periódicos franco-brasileiros que nasceram em seguida, foi uma folha predominantemente comercial: cada um de seus números trazia, por exemplo, um extrato do catálogo de obras disponíveis à venda na livraria de Plancher.

Somente na década de 1850, cerca de 20 anos após o lançamento de L’Independant, os franceses residentes no Brasil constituiriam uma comunidade estabelecida. Os comerciantes dentro desse grupo, assim como os imigrantes de origem inglesa, tinham certas vantagens ao optar pela vida na Corte brasileira, naquele momento. Os produtos de sua nacionalidade estavam em voga; vestir-se à moda de Paris ou de Londres, particularmente, simbolizava não apenas luxo e sofisticação: identificava cidadãos pertencentes a uma nova era. A expressividade que adquiriram então livrarias, lojas de roupas, restaurantes, salões de modistas, oficinas, livrarias, cabeleireiros e galerias administradas por franceses – vendendo na maior parte das vezes produtos também franceses –, como não poderia deixar de ser, se refletiu num fortalecimento do grupo no comércio carioca. Fugidos de crises políticas – como o 18 de brumário, – e econômicas que assolavam a Europa e sinalizavam a América como um lugar melhor para se viver, muitos tinham inclinações políticas liberais, e quase todos eram trabalhadores manuais – artistas e artesãos de lojas e oficinas, como Plancher, que no mesmo ano de 1827, em 1º de outubro, passou a imprimir, em seu maquinário, o longevo Jornal do Commercio.

Fugido da França por motivos políticos, e trazendo a bordo seu meio de vida, uma oficina tipográfica completa, o editor de L’Independant havia começado carreira no Brasil, segundo Nelson Werneck Sodré, “imprimindo folhinhas, leis, papeis avulsos, e vendendo na (sua) loja também livros e calendários” (p. 109). Instalado na Rua do Ouvidor, Plancher logo sentiu, no entanto, a “coceira jornalística”, vindo a publicar o periódico O Spectador Brasileiro, redigido pelo próprio tipógrafo, que assinava com a pseudônimo de Hum francês brasileiro. No prospecto de lançamento ao seu primeiro jornal brasileiro, o editor se apresentava com o sugestivo título de “impressor-livreiro de Sua Magestade Imperial”. Pouco interessado em provocar o poder local, muito pelo contrário, Plancher defendeu Dom Pedro I e a Independência n’O Spectador, exercendo, em seguida, linha governista; entre 8 de abril e 20 de agosto de 1828 sua tipografia imprimiria mesmo o pasquim de polêmica política Honra do Brasil Desafrontada de Insultos da Astréa Espadaxina, periódico assinado pelo conservador (e absolutista) baiano José da Silva Lisboa, em ataque virulento e pontual à folha liberal de oposição Astréa.

Fontes:

– Acervo: edições nº 1, de 21 de abril de 1827, ao nº 10, de 24 de junho de 1827.

– SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

– CANELAS, Letícia Gregório. O Courrier Du Brésil e o conflito entre associações francesas no Rio de Janeiro. In: VIDAL, Laurent; DE LUCA, Tânia Regina. Franceses no Brasil: séculos XIX-XX. São Paulo: Editora UNESP, 2009.